5 dicas para melhorar o controle financeiro de sua empresa

Gestão financeira é um assunto que não sai de moda e não é para menos. Quem que não gostaria de reduzir custos e aumentar lucratividade? Pois é, acredito que todo empreendedor busca esse equilíbrio perfeito sobre o controle financeiro.

Você conhece bem todos os gastos da sua empresa? Sabe dizer qual é o seu lucro? Sabe o que tem a receber ou o que tem a gastar? Pois bem, por mais surpreendente que possa parecer, muitos empreendedores não sabem responder com precisão essas perguntas. Isso se deve, principalmente, pela falta de controle financeiro em grande parte das empresas. Ter conhecimento sobre a gestão de finanças empresariais é extremamente importante para a saúde financeira da empresa pois é através dela que o gestor irá analisar os dados para tomar uma decisão assertiva em relação a gastos, investimentos, etc.

A partir do registro de todas as entradas e saídas desse controle financeiro, é possível elaborar os demonstrativos financeiros. Em outras palavras, são documentos que geram os resultados utilizados como base para a tomada de decisões. A fim de facilitar o entendimento sobre o assunto, iremos abordar os demonstrativos de maior destaque. São eles Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE) e o Demonstrativo do Fluxo de Caixa (DFC).

Demonstrativo do Resultado de Exercício

No Demonstrativo do Resultado de Exercício (DRE) é levado em consideração o regime de competência, e de maneira bem simples, isso quer dizer que é demonstrado tudo que deveria ter entrado e saído na empresa durante um período determinado. Com o DRE é possível saber como o modelo de negócio se comporta independentemente de situações adversas de mercado como por exemplo a inadimplência.

Fluxo de caixa

No fluxo de caixa é considerado o regime de caixa, ou seja, consideramos o registro dos documentos nas datas em que foram pagos ou recebidos. Este evento pode ser uma entrada (venda) ou saída (despesas ou custos). Diferentemente da DRE, o fluxo de caixa vai demonstrar o que de fato entrou e saiu da empresa, possibilitando que o gestor analise a variação do resultado da empresa para a competência do período.

Dicas para um bom controle financeiro

 

    1. Não misture as contas pessoais com a da empresa

Parece bobo mas misturar as despesas pessoais com a da empresa é mais comum do que se imagina. A mistura de responsabilidades e gastos financeiros pode prejudicar a saúde do seu negócio uma vez que se perde o controle sobre o que é pessoal e o que não é. É fundamental ter o discernimento sobre quais são as despesas provenientes da empresa e quais são as pessoais. Se essa separação não for clara, o resultado final poderá ser bem diferente do esperado.

Uma empresa que não conhece seus gastos não consegue tomar decisões firmes e consistentes, além de que será mais difícil identificar os problemas da empresa.

    2. Trace metas para alcançar seus objetivos

Uma das dicas principais é essa. Assim como toda organização deve traçar macro objetivos organizacionais, ter bem definido quais são as metas financeiras é fundamental para a saúde financeira da empresa. Dessa forma, é possível analisar o quão longe você está de seus objetivos. Além disso, essas metas devem ser mensuráveis e com prazos definidos para seu cumprimento. Outro ponto crucial é a revisão e atualização constante dessas metas uma vez que elas refletem o momento financeiro da empresa.

     3. Faça um acompanhamento de suas receitas e despesas

É essencial que o gestor saiba a situação financeira da empresa no momento. É altamente recomendado que se faça lançamentos diários de entrada e saída da empresa para criar uma rotina de gerenciamento, dessa forma, criar-se-á um hábito saudável um hábito de análise financeira que só tem a agregar para a empresa. Caso isso não seja possível, estipule uma periodicidade bem definida.

     4. Acompanhe a inadimplência.

Essa dica costuma passar levemente despercebida porém é deveras importante. Através do controle financeiro é possível saber como está a inadimplência da empresa no período. Procure saber qual é a sua inadimplência absoluta acumulada e a inadimplência de cada mês. A inadimplência acumulada te permite saber quanto você ainda tem a receber, enquanto a inadimplência mensal te dá uma noção de qual é o comportamento histórico e a média de inadimplência na empresa. Essas informações ajudarão a saber qual o momento certo de fazer a cobrança.

     5. Analise os resultados frequentemente

Controle financeiro é rotina, ou seja, acompanhe e analise os resultados pelo menos uma vez por mês. De preferência, utilize gráficos para facilitar o entendimento e análise dos dados e relatórios para sintetizar as informações e contribuir para a gestão do conhecimento. Ter o hábito de analisar as finanças da empresa é de suma importância para seu bom rendimento e saúde financeira, já que através dela é possível conhecer melhor o negócio. Dessa forma, uma tomada de decisão muito mais efetiva.

 

Esse texto foi útil? Deixe um comentário e compartilhe com aquela pessoa que pode se beneficiar dessas dicas.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *