Planejamento financeiro: como identificar que preciso de um?

Sabemos que o empreendedor passa por muitas incertezas durante a sua trajetória. Entretanto, é possível reduzi-la com um bom planejamento. E quando falamos de finanças esse cenário não é diferente, pois podemos trabalhar com um planejamento financeiro para orientar o empreendedor e a sua empresa.

 

planejamento financeiro

 

E, como saber se meu planejamento financeiro está ineficiente?

Vamos listar cinco indícios que mostram para você que a sua empresa precisa de um melhor controle financeiro. Eles são:

  1. Entrar em cheque especial: nesse caso a pessoa precisa de empréstimos do banco para poder gastar mais dinheiros. O crédito fornecido é estipulado de acordo com as informações cadastrais e movimentação financeira do cliente. O problema é que os bancos cobram juros muito elevados, pois ele é uma linha de crédito em que os empréstimos são concedidos sem garantias. Por isso, o uso é recomendado apenas em situações de emergência.
  2. Incerteza de investimento: o empreendedor não sabe qual é o momento certo para fazer um investimento. Ele não entende os benefícios de cada investimento e não sabe como priorizar quais são importantes e quais são essenciais.
  3. Não saber como gerenciar o fluxo de caixa: nesse caso, o empresário não tem um controle do dinheiro que entrou e saiu do seu empreendimento. Muitas vezes os métodos que  usam para gerenciamento são defasados, como planilhas pouco elaboradas ou anotações em cadernos. 
  4. Não trabalhar com caixa e competência: o conceito de caixa remete a toda a quantia de dinheiro que entrou ou saiu da conta do empreendimento. Competência, por outro lado, é tudo aqui que sabemos que vai entrar na conta. Pode ser tanto uma quantia financeira, como um bem material. Quando os empreendedores não utilizam esse conceito pode haver grandes problemas, como a perda de um possível investimento ou gasto excessivo que pode levar a empresa a falência. 
  5. Não ter um gerenciamento de contas a pagar e receber.

Conclusão

Ter um bom controle financeiro te ajuda a superar os indícios listados anteriormente. Por isso, escrevemos 5 dicas para melhorar o controle financeiro da sua empresa. Conheça também 10 aplicativos de gerenciamento para você e a sua empresa.

 

Plano de Negócios: do Planejamento do seu negócio ao Sucesso

Mas afinal, o que é um plano de negócios?

O plano de negócios é uma das primeiras etapas para quem quer empreender, montar um novo negócio ou abrir novos estabelecimentos comerciais. Ele funciona como um norte para o seu negócio e irá te orientar na busca de informações detalhadas sobre:

  1. O ramo no qual você está inserido
  2. Os produtos ou serviços que você irá oferecer
  3. Os clientes que você espera obter
  4. Os atuais concorrentes que competirão com você
  5. Os seus fornecedores e parceiros
  6. Os pontos fracos e fortes do seu negócio
  7. A viabilidade da sua ideia
  8. O funcionamento da gestão da empresa
  9. Os gastos que você terá para abrir e manter o negócio
  10. A fonte de renda da sua empresa
  11. Os meios de marketing

Dessa maneira, ele te ajuda planejar melhor os passos que você terá ao longo do seu caminho como empreendedor em seu estabelecimento. É muito importante ressaltar que o plano de negócios é um documento flexível, que deve ser analisado constantemente. É preciso sempre analisar se ele ainda faz sentido para a sua empresa, quais mudanças podem ser feitas para melhorá-lo e acrescentar novas ideias e diferenciais.  

E como começar um Plano de Negócios? 

Podemos observar que o plano de negócio abrange muitos pontos complexos. Por isso, o primeiro passo que recomendamos para fazê-lo é um estudo e reflexão da ideia. Recomendamos que para isso, você monte um CANVAS da sua empresa, tendo o modelo de negócios bem definido.

Em seguida, recomendamos que você analise o modelo de negócios proposto anteriormente e faça o documento com base nele. Ele irá, portanto te trazer uma reflexão dos pontos importantes a ser trabalhado, para então reduzir os riscos que você terá ao abrir a empresa. Isso porque, ao fazer o plano, você automaticamente estuda a viabilidade e compreensão das ideias, em conjunto com as ações que devem ser tomadas para o sucesso da sua empresa.

Acreditamos que é importantíssimo a leitura de livros para a obtenção de um alto repertório de conhecimento de empreendedorismo, conhecimento do mercado, concorrência e ferramentas para fazer um plano de negócios ao abrir uma empresa. Por isso, recomendamos a leitura de três livros para obter sucesso na sua empresa, tendo em vista um bom plano de negócio. Eles são:

  1. Do sonho a realização em 4 passos:

Plano de negócios

O livro conta histórias de startups que obtiveram sucesso em comparação das que perderam muito dinheiro. Ele mostra o porque isso acontece, relacionando o sucesso com planejamento e um grande conhecimento do mercado. Em seu enredo, ele ensina como podemos trabalhar com o desenvolvimento do mercado, associado ao desenvolvimento do produto.

  1. Business model generation: inovação em modelos de negócios:

plano de negócios

O livro fala sobre os diferentes tipos de empresa e indústria. Ele mostra como, em cada uma delas você pode montar um modelo de negócios em que cada coluna do CANVAS conversa uma com a outra. Ele dá exemplos de companhias como o Google e Facebook, comparando-as à outras empresas, como lojas de departamento. Ele mostra como o modelo de negócios é diferente para cada uma delas, e como obter sucesso em cada ramo da indústria.

  1. A estratégia do oceano azul:

plano de negócios

O livro mostra como você pode criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. Para isso, você precisa entender qual o público irá atingir e qual é atuação dos concorrentes. Dessa maneira, você deve eliminar, diminuir, elevar e criar aspectos diferentes para anular a concorrência. No livro são tratados empresas como o Cirque de Solei ,mostrando como ele eliminou a concorrência e inovou o Circo mundial.

Conclusão:

Pensando em todas as dificuldades ao abrir uma empresa e tirar a ideia do papel, criamos um eBook exclusivo detalhando como fazer um plano de negócios de sucesso. 

cta plano de negócio

Modelo de Negócios: entenda como fazê-lo

O modelo de negócios é uma explicação de como a sua empresa cria, entrega e captura valor por meio de uma organização. Assim, ele possibilita uma maior compreensão das atividades, canais e relacionamentos chaves para o bom funcionamento da empresa. Ele atua, portanto, como uma definição do que a empresa faz e onde ela quer chegar.

Mas como, de fato, definir o modelo de negócios?

Para uma boa definição do modelo de negócios é preciso ter uma compreensão e entendimento de recursos e características básicos da sua empresa. Recomendamos que você utiliza a ferramenta chamada CANVAS para definir o modelo de negócios da sua empresa.

Modelo de negócios

O quadro acima representa o CANVAS. É recomendado que ele seja impresso e preenchido pelos representantes da empresa. Para isso, é preciso ter definido os tópicos abaixo. Eles são:

  • Os segmentos de clientes que você possui. Ou seja, você precisa ter definido quem são os grupos de pessoas ou organizações que você busca alcançar ou servir. As perguntas que você deve saber responder são: ‘para quem estamos criando valor? e ‘quem são nossos consumidores mais importantes?’.
  • A proposta de valor que você oferece para o(s) segmento(s) de cliente(s). É preciso, portanto, saber identificar o motivo pelo qual o cliente escolhe a sua empresa. Saber qual é o seu diferencial é essencial para o bom desempenho de sua empresa. Para tê-la bem definida, é importante saber responder algumas perguntas. Entre elas, temos: ‘que valor entregamos ao cliente?”, ‘qual problema estamos ajudando a resolver’ e ‘que necessidades estamos satisfazendo?’
  • Os canais no qual sua empresa se comunica e alcança seus segmentos de clientes para entregar uma proposta de valor. Para defini-los é sempre importante pensá-lo de acordo o retorno que terão, pensando em seu segmentos de clientes.
  • O relacionamento que terá com cada segmento de cliente. Para isso, é sempre importante pensar no custo e esforço com esse relacionamento. Além disso, deve-se ter claro qual é a expectativa que o seu cliente tem com o relacionamento.
  • A sua fonte de receita. Agora é a hora de entender como a sua empresa irá lucrar com os seus clientes. É importante entender o quanto eles esperam pagar pelos seus serviços, quanto eles pagam e como eles pagam.
  • Os recursos principais que você irá utilizar. Agora é a hora de entender quais são os principais recursos que você precisa ter para que o seu modelo de negócios funcione. Eles podem ser físicos, financeiros, intelectuais ou humanos.
  • As atividades-chaves que devem ser feitas. Você precisa saber identificar quais são as principais atividades que devem ser feitas para que o seu modelo de negócios funcione. É preciso pensar apenas nas atividades que são essenciais para rodar a sua proposta de valor, canais de distribuição, relacionamento com clientes e fontes de receitas
  • As principais parceiras que você precisará ter para fazer o seu negócio funcionar.
  • A sua estrutura de custo. É muito importante ter claro quais são os custos principais do modelo de negócio, quais os recursos e atividades chaves são mais caras.

Conclusão:

Ao responder todos os itens anteriores você identificará toda a estrutura da sua empresa. É importante identificar como cada um se relaciona entre si e se isso faz sentido para sua empresa. A partir disso, é possível ter uma visão mais sistêmica da sua empresa e criar planos de ação para as atividades que não se interligam com o modelo de negócios.

Esse é apenas o primeiro passo para o sucesso da sua empresa. Em seguida, recomendamos que você realize um plano de negócios. Ele é um documento que irá orientar suas ações. Nele, você precisará responder as questões para o sucesso da sua empresa de forma mais clara e certa. Ele irá guiar todos os seus passos durante a trajetória do seu negócio.

Quero saber mais sobre o Plano de Negócios 

 

 

Planejamento financeiro para pequenas empresas

O Planejamento Financeiro é essencial para quem deseja tomar decisões mais assertivas em torno de seus objetivos financeiros, além de se destacar como uma ferramenta de gerência tanto a nível pessoal quanto empresarial.

Mas qual é o momento ideal para fazer um planejamento financeiro?

O período para executá-lo, geralmente, varia de empresa para empresa. Algumas preferem realizar para um ano pois acaba coincidindo com o ano fiscal. Porém, outras organizações o fazem diferente como, por exemplo, por período de gestões, por trimestre ou semestre. Além disso, existem diversas metodologias que podem ser adotadas para realizar o planejamento financeiro. Algumas empresas o fazem através do alinhamento de metas de receita com um período de tempo e outras o realizam dividindo em tipos de gastos como, por exemplo, gastos operacionais e gastos de investimento.

Então, como fazer?

Dependendo do mercado que a empresa atua, a escolha da metodologia deverá estar alinhada com a realidade do mercado daquele momento e levar em consideração o fluxo de movimentações financeiras.

Empresas com alto fluxo de movimentações financeiras preferem realizar planejamento trimestrais ou semestrais pois, dessa forma, possuem mais controle sobre processo além da agilidade para prever algum imprevisto.

Já para pequenas empresas, um bom gestor irá precisar de algumas ferramentas para realizar um bom planejamento financeiro:

  • Conhecer e entender as necessidades da empresa
  • Conhecer e entender os objetivos da empresa para o período em questão
  • Levar em consideração o mercado, o momento e as tendências do mercado em que a empresa está inserida
  • Analisar o histórico da empresa e suas demonstrações contábeis

Através da execução de um bom planejamento financeiro a empresa consegue prever dificuldades futuras, traçando planos de ação imediatos e facilitando a tomada de decisão, a fim de evitar perdas do controle da empresa.

É importante reforçar que apenas a elaboração de um bom planejamento financeiro não é suficiente para garantir bons resultados. A execução do mesmo é que garante que os resultados sejam atingidos, ou seja, cabe ao gestor tomar as decisões necessárias para atingir as metas estipuladas. Sem esse acompanhamento todo o planejamento torna-se falho.

O acompanhamento pode ser facilitado através de alguns aplicativos de gerenciamento conforme tratamos em outro texto. Acesse-o aqui.

Resumindo

Com uma boa elaboração e execução de um planejamento financeiro, alinhado com um bom acompanhamento de gastos a empresa com certeza terá sucesso em suas metas financeiras. O gestor conseguirá, portanto, não só evitar desperdícios mas também aumentar a rentabilidade da empresa, garantindo a sustentabilidade da mesma.

 

Gostou? Compartilhe com aquela pessoa que pode se beneficiar com esse texto.

5 dicas para melhorar o controle financeiro de sua empresa

Gestão financeira é um assunto que não sai de moda e não é para menos. Quem que não gostaria de reduzir custos e aumentar lucratividade? Pois é, acredito que todo empreendedor busca esse equilíbrio perfeito sobre o controle financeiro.

Você conhece bem todos os gastos da sua empresa? Sabe dizer qual é o seu lucro? Sabe o que tem a receber ou o que tem a gastar? Pois bem, por mais surpreendente que possa parecer, muitos empreendedores não sabem responder com precisão essas perguntas. Isso se deve, principalmente, pela falta de controle financeiro em grande parte das empresas. Ter conhecimento sobre a gestão de finanças empresariais é extremamente importante para a saúde financeira da empresa pois é através dela que o gestor irá analisar os dados para tomar uma decisão assertiva em relação a gastos, investimentos, etc.

A partir do registro de todas as entradas e saídas desse controle financeiro, é possível elaborar os demonstrativos financeiros. Em outras palavras, são documentos que geram os resultados utilizados como base para a tomada de decisões. A fim de facilitar o entendimento sobre o assunto, iremos abordar os demonstrativos de maior destaque. São eles Demonstrativo do Resultado do Exercício (DRE) e o Demonstrativo do Fluxo de Caixa (DFC).

Demonstrativo do Resultado de Exercício

No Demonstrativo do Resultado de Exercício (DRE) é levado em consideração o regime de competência, e de maneira bem simples, isso quer dizer que é demonstrado tudo que deveria ter entrado e saído na empresa durante um período determinado. Com o DRE é possível saber como o modelo de negócio se comporta independentemente de situações adversas de mercado como por exemplo a inadimplência.

Fluxo de caixa

No fluxo de caixa é considerado o regime de caixa, ou seja, consideramos o registro dos documentos nas datas em que foram pagos ou recebidos. Este evento pode ser uma entrada (venda) ou saída (despesas ou custos). Diferentemente da DRE, o fluxo de caixa vai demonstrar o que de fato entrou e saiu da empresa, possibilitando que o gestor analise a variação do resultado da empresa para a competência do período.

Dicas para um bom controle financeiro

 

    1. Não misture as contas pessoais com a da empresa

Parece bobo mas misturar as despesas pessoais com a da empresa é mais comum do que se imagina. A mistura de responsabilidades e gastos financeiros pode prejudicar a saúde do seu negócio uma vez que se perde o controle sobre o que é pessoal e o que não é. É fundamental ter o discernimento sobre quais são as despesas provenientes da empresa e quais são as pessoais. Se essa separação não for clara, o resultado final poderá ser bem diferente do esperado.

Uma empresa que não conhece seus gastos não consegue tomar decisões firmes e consistentes, além de que será mais difícil identificar os problemas da empresa.

    2. Trace metas para alcançar seus objetivos

Uma das dicas principais é essa. Assim como toda organização deve traçar macro objetivos organizacionais, ter bem definido quais são as metas financeiras é fundamental para a saúde financeira da empresa. Dessa forma, é possível analisar o quão longe você está de seus objetivos. Além disso, essas metas devem ser mensuráveis e com prazos definidos para seu cumprimento. Outro ponto crucial é a revisão e atualização constante dessas metas uma vez que elas refletem o momento financeiro da empresa.

     3. Faça um acompanhamento de suas receitas e despesas

É essencial que o gestor saiba a situação financeira da empresa no momento. É altamente recomendado que se faça lançamentos diários de entrada e saída da empresa para criar uma rotina de gerenciamento, dessa forma, criar-se-á um hábito saudável um hábito de análise financeira que só tem a agregar para a empresa. Caso isso não seja possível, estipule uma periodicidade bem definida.

     4. Acompanhe a inadimplência.

Essa dica costuma passar levemente despercebida porém é deveras importante. Através do controle financeiro é possível saber como está a inadimplência da empresa no período. Procure saber qual é a sua inadimplência absoluta acumulada e a inadimplência de cada mês. A inadimplência acumulada te permite saber quanto você ainda tem a receber, enquanto a inadimplência mensal te dá uma noção de qual é o comportamento histórico e a média de inadimplência na empresa. Essas informações ajudarão a saber qual o momento certo de fazer a cobrança.

     5. Analise os resultados frequentemente

Controle financeiro é rotina, ou seja, acompanhe e analise os resultados pelo menos uma vez por mês. De preferência, utilize gráficos para facilitar o entendimento e análise dos dados e relatórios para sintetizar as informações e contribuir para a gestão do conhecimento. Ter o hábito de analisar as finanças da empresa é de suma importância para seu bom rendimento e saúde financeira, já que através dela é possível conhecer melhor o negócio. Dessa forma, uma tomada de decisão muito mais efetiva.

 

Esse texto foi útil? Deixe um comentário e compartilhe com aquela pessoa que pode se beneficiar dessas dicas.

10 aplicativos de gerenciamento para você e sua empresa

Vida agitada, rotinas atarefadas e o crescente fluxo de informação que recebemos faz que com algumas algumas tarefas necessitem ser facilitadas. O controle e gerenciamento de gastos é um exemplo bastante comum. Diante disso, reunimos 10 aplicativos fundamentais para facilitar e agilizar o gerenciamento da sua empresa e suas finanças pessoais também. Dessa forma, você evita atrasos, agiliza o pagamento de contas e usa essa economia de tempo em outras atividades. Confira abaixo:

      1. Guia Bolso

guia-bolso

App gratuito, disponível para Android, IOS e Web. É um serviço pessoal de controle financeiro capaz de sincronizar automaticamente todas despesas do usuário. Contas de bancos diferentes podem ser sincronizadas no mesmo cadastro e, além disso, o aplicativo também realiza a classificação automática das despesas do usuários em categorias como Mercado, Compras, Transporte, Bares/Restaurantes e várias outras.

Acesse o site aqui

      2. Expensify

expensify

App gratuito, com suporte para IOS, Android e Windows Phone. Funciona como um gerenciador de gastos, sendo muito útil para empresas que têm filiais, vendedores que passam muito tempo na rua e representantes comerciais. O app possibilita aos funcionários escanear notas fiscais, recibos e outros comprovantes de despesas com a câmera do aparelho. Além disso, o empreendedor pode aprovar gastos e reembolsos na tela do celular. O programa ainda gera relatórios em PDF e exporta dados para sistemas de gestão, como Excel, Evernote, SAP, Salesforce e Microsof Dynamics.

Acesse o site aqui.

      3. Moni

moni

App gratuito disponível apenas para IOS. O programa exige que o usuário cadastre manualmente todas as suas receitas e despesas porém o Moni possui umas das mais simples e rápidas formas de cadastro de gastos. E caso o usuário queira diferenciar suas despesas, poderá adicionar observações para os lançamentos que achar necessário.

Baixe o app aqui.

 

      4. Wally+

wally

App gratuito disponível para Android e IOS. É um programa de controle financeiro que permite ao usuário saber se está gastando mais dinheiro com coisas do trabalho, da vida social, do família, entre outra categorias. Uma das melhores ferramentas do Wally+ é o scanner de recibos, que permite ao usuário criar uma versão digital do comprovante e depois jogá-lo no lixo sem maiores preocupações.

Acesse o site aqui.

 

      5. Finance

finance

App gratuito e disponível para Android e IOS. Com uma interface simples e intuitiva, o programa exibe as diferentes categorias de gastos para o usuário com ícones coloridos e ilustrativos. E basta o usuário selecionar algum desses botões para cadastrar um novo lançamento manualmente. Assim como outros programas do gênero, o Finance permite que o usuário veja um gráfico das suas despesas e receitas no fim do mês, o que é muito útil na hora de estipular um plano financeiro.

Acesse o site para IOS e Android.

 

      6. Organizze 

Organizze

App gratuito e disponível para Android, IOS e Web. Uma das grandes vantagens desse app é poder utilizá-lo desconectado da internet. Além disso, possui visual limpo e resolvido e, por causa disso, é bem fácil de ser utilizado.

Acesse o site aqui.

 

      7. Zero Paper

Zero Paper

App gratuito e disponível para Android, IOS e Web. O ZeroPaper é um aplicativo de gestão financeira desenvolvido para controle de pequenos negócios. Para usar o ZeroPaper o usuário precisa realizar um cadastro, no qual informa o tipo de negócio e insere o saldo da conta bancária. Depois de cadastrado, o usuário passa a registrar todas as transações da conta manualmente no aplicativo. Outra opção interessante, disponível apenas na versão “premium”, é a possibilidade de tirar fotos de recibos e guardá-los virtualmente.

Acesse o site aqui.

 

      8. Minhas economias

Minhas Economias

App gratuito e disponível para Android, IOS e Web. É possível verificar saldo de contas bancárias, cadastrar despesas, receitas e transferências, lançar parcelamentos, e realizar anotações e transações online. O interessante do aplicativo é que com ele o usuário pode ter seus dados financeiros sempre em mãos, afinal, tudo pode ficar salvo na nuvem e ser acessado de qualquer navegador ou dispositivo com internet.

Acesse o site aqui.

 

      9. Finance Plus

Finance Plus

App gratuito disponível apenas para Windows Phone a partir da versão 7.5. O programa permite ao usuário cadastrar os lançamentos da sua conta, visualizar um resumo do mês e até fazer um backup dos seus gastos no OneDrive.  

Baixe o app aqui.

    10. Money Care

money-care

App pago com custo de U$ 2,99 e suporte para Android e IOS, esse aplicativo, além de funcionar com uma planilha básica de orçamento, indica contas pagas, a pagar e atrasadas. Permite programar alertas de vencimento e configurar o pagamento automático de contas. Para facilitar ainda mais a análise e o controle, o app gera gráficos em barras e pizzas com demonstrativo de gastos, possibilita backup de informações e exportações para Excel.

Baixe o app para IOS e para Android.

*dados baseados na Revista Exame

Gostou?

Compartilhe com aquela pessoa que pode se beneficiar deste texto também!

Espaço físico de sua empresa: entenda como ele pode te ajudar

As empresas vivem em um ambiente extremamente concorrido. Por isso, é muito importante se sobressair perante os concorrentes. Uma das maneiras para isso é organizar o espaço físico da sua empresa. Essa prática é muito importante e falaremos sobre seu funcionamento e benefícios a seguir.  

A organização do espaço físico da empresa para que você atinja melhores resultados pode ser feita a partir do projeto de Layout. 

De forma geral, a reorganização do espaço físico é feita a partir de análises do funcionamento dos produtos e gestão da empresa. Ele envolve todos os setores, desde entrada e saída de produtos, estoque e espaçamento de máquinas. É diferente para cada tipo de empresa e é feito de modo que faça sentido para o estabelecimento. Portanto, ele  determina a forma de organizar o maquinário e departamentos para alcançar a minimização de tempo de produção, a maximização do volume de negócios e maximização da capacidade produtiva. Empresas de consultoria fazem esse tipo de projeto.

É de extrema importância que o Layout seja feito de forma eficaz. Erros no projeto de layout podem gerar interrupções no fornecimento, levando à insatisfação do consumidor interno e externo, atrasos na produção, propiciando filas e estoques confusos e desnecessários, além de altos custos relacionados ineficiência da criação de sinergia entre o conjunto do arranjo físico (KANNAN, 2010; SINGH; YILMA, 2013).

Temos, portanto, como principais vantagens sobre a organização do espaço físico de um estabelecimento:

  1. Diminuição do desperdício de materiais e tempo durante os procedimentos no estabelecimento;
  2. Melhoria da produtividade e qualidade do estoque;
  3. Melhoria da qualidade do espaço físico da empresa;
  4. Diminuição da ociosidade de funcionários;
  5. Melhor controle dos processos feitos na empresa.

Conheça qual é o melhor momento para um projeto de layout

Pensamos que você também gostaria de saber sobre:

espaço físico

cta

Redução de vendas: entenda os principais motivos

Atualmente, passamos por um momento de crise e recessão na economia brasileira. Falamos um pouco a respeito disso no texto ‘por que micro e pequenas empresas fecham as portas quando pré maturas’. O que queremos entender nesse texto é o porquê da redução de vendas nas empresas brasileiras. Ao mesmo tempo, queremos sugerir maneiras para amenizar essa situação.

Podemos tentar pensar que a crise econômica causa um efeito de ciclo na economia. Ela funciona de modo similar a figura abaixo:

motivos para a redução de vendas das empresas
Fica visível que temos um problema muito complexo, que requer soluções econômicas ousadas para superá-las. Mas, diante a isso, como fazer com que a sua empresa, mesmo que incluída nesse cenário, não seja tão afetada pela crise econômica e não sofra com a redução de vendas?

Já foram citados nos textos ‘7 motivos para contratar uma consultoria’ e ‘empresa júnior – 5 vantagens em contratar uma’ os benefícios de contratar uma consultoria nessa situação. Eles mostram como consultores tem uma visão externa a respeito das ações que podem estar sendo feitas de forma incorreta. Assim, eles percebem de uma forma mais crítica os motivos da redução das vendas. Ao mesmo tempo, propõem medidas e soluções para resolvê-las.  

Mas o que queremos trabalhar aqui é como você, internamente na sua empresa, pode identificar as práticas que não estão sendo eficazes na venda de seus produtos. Assim, é possível criar planos de ação para elas.  

 

Mas afinal, quais práticas causam a redução de vendas?

Elas são:

  1. Falta de planejamento de marketing: A empresa muitas vezes sabe da importância do marketing e tenta executá-lo, mas não obtém sucesso. Isso acontece, em geral, devido ao planejamento falho de como, onde e quando postar. Assim, fica difícil saber a linguagem que deve utilizar, a mídia social para isso e o conteúdo que seu público tem interesse em saber. Por isso, é muito comum ver empresas publicando conteúdo promocional em mídias sociais, como o Facebook, mas com pouco resultado.
  2. Falta de conhecimento do público-alvo: Este item está diretamente relacionado ao anterior. Como saber como abordar o cliente, a partir de técnicas de marketing, sem conhecer o meu público-alvo? E isso é mais comum do que imaginamos. Muitas vezes, as empresas não sabem o perfil e o desafio que seus clientes possuem. Sabendo definir essas características, o modo de abordar para a venda de produtos é muito facilitada.
  3. Falta de conhecimento dos seus concorrentes: Várias empresas não têm informações perante ao seus concorrentes e não utilizam do benchmark (troca de informações com os concorrentes a respeito dos produtos, do público-alvo, da abordagem dos clientes, entre outros). A partir disso, pode-se, além de identificar seu grau de competitividade, perceber diferenciais para a sua empresa.  Por exemplo, temos a Coca-Cola e a Pepsi como duas empresas muito fortes na indústria alimentícia – inclusive, muitas pessoas pensam nos produtos delas como os mesmos – entretanto cada uma delas possui um diferencial e abordam públicos-alvo distintos.
  4. Falta de análise de retorno sobre investimento (ROI): Por ter inúmeras possibilidades de como trabalhar com Marketing (outdoors, televisão, mídias sociais e por aí vai), pode acontecer da empresa não analisar de forma racional qual é a melhor opção para investir. Por isso é necessário se perguntar:

Qual o custo que terei sobre a prática?

Quantas pessoas terão contato com minha marca?

Dessas pessoas quantas, possivelmente, vão comprar o meu produto?

Qual o retorno que terei com o investimento?

Com base nas respostas dessas perguntas é possível escolher a técnica de marketing faz mais sentido para a sua empresa. Dessa maneira, é possível escolher a melhor opção quanto ao marketing utilizado.

 

Conclusão:

Queremos mostrar que, a partir do conhecimento dos itens mostrados acima, podemos perceber nossos erros em relação ao marketing e traçar planos de ação para eles. Com isso, é possível realizar práticas de marketing que ajudem na obtenção de mais clientes e ensinem como fidelizá-los. Entenda mais sobre 7 práticas para atração de clientes no link. 

 

Conheça também 7 práticas para atrair mais clientes 

Gestão de estoque – Os 3 erros mais comuns das empresas

Sabemos que a gestão de estoque tem função estratégica dentro de uma empresa. Isso porque ele é a principal interface entre os produtos da empresa e o mercado. É um impulsionador de venda e, ao mesmo tempo, um diferenciador perante a concorrência.

Por ser uma peça fundamental dentro de uma empresa, a má gestão pode causar muita dor de cabeça para seus empresários e funcionários. Abaixo vamos discutir um pouco sobre as consequências dessa má gestão.

Principais problemas que a má gestão de estoque pode causar

Principais problemas causados pela má gestão de estoque

1.Não ter o produto que o cliente deseja:

Sabemos que em uma empresa toda venda é importante e nada pior que finalizar a venda, mas não ter o produto que o cliente deseja. O mal conhecimento de estoque possibilita vender um produto que a empresa não possui. Além disso, dificulta a percepção dos funcionários a respeito da necessidade em comprar e estocar esse mesmo produto novamente.

2.Comprar produtos errados: 

Entendemos que precisamos escolher cautelosamente os produtos que serão comprados pela empresa para serem estocados. A má gestão e conhecimento do estoque pode causar a compra de um produto que não tem demanda do público alvo. Isso gera um estoque volumoso e desorganizado.

Além disso, esse problema é extremamente interligado ao anterior. Pois, ao mesmo tempo, podemos deixar de comprar aqueles produtos que tem demanda pelos clientes.

3.Ter o investimento em produtos parado por meses:

Quando compramos um produto que fica no estoque, sem rotatividade, não vemos o retorno do dinheiro investido na compra. Uma gestão ruim de estoque permite que esse problema se torne um ciclo, trazendo resultados financeiros negativos para a empresa por um longo período de tempo.

Como pudemos perceber, as consequências de uma má gestão de estoque estão atreladas e são muito prejudiciais a qualquer empresa. Por isso, existem algumas práticas que podem ajudar a ter uma melhor gestão de estoque. Entre elas estão: análise da demanda de produtos, se atentar a sazonalidade e definição de controles periódicos e rígidos.

 

Conheça também 10 práticas para melhorar a gestão do seu estoque 

Como o plano de Marketing pode salvar a sua empresa?

Entendemos que o Brasil passa por um momento econômico de recessão e inflação. Alinhado a isso, existe cada vez mais concorrência em todos os setores da indústria. Como podemos então, concorrer com todas essas adversidades e melhorar as vendas das nossas empresas? O plano de marketing pode surgir como uma solução diante desse cenário. 

 

Em por que as MPEs fecham as portas quando pré maturas pudemos entender um pouco mais da realidade de pequenas empresas no cenário atual brasileiro. Percebemos que o cenário para as pequenas empresas não é favorável e discutimos algumas das principais causas e soluções. Entre as soluções está a implantação de um Plano de Marketing.

Como o plano de marketing pode salvar a sua empresa?

Mas afinal, como eu sei que preciso de um plano de marketing?

 

A maior parte das empresas percebe que tem um problema quando os resultados financeiros são afetados. Quando as vendas diminuem e os gastos permanecem o mesmo. Há então, desespero por parte dos empresários e é necessário tomar decisões para sobreviver no ambiente que estão inseridas.

Mas mesmo apresentando sintomas na parte financeira, suas causas podem ser outras. E uma causa muito comum é relacionada ao conhecimento do mercado em que as empresas estão inseridas. Muitas vezes não há conhecimento dos principais concorrentes, público alvo e como atingi-lo de forma eficaz.

Ainda que afete financeiramente a empresa, é possível identificar quando falta um conhecimento de mercado antes do agravamento desse problema. Apresentaremos alguns sintomas que chamam um pouco menos de atenção dos empresários que as deficiências financeiras:  

  1. Há esforços e gastos com divulgações que não estão trazendo resultados. Nesse caso, as campanhas de marketing não estão sendo eficientes. Isso ocorre, muitas vezes, porque as empresas não tem real conhecimento de seu público alvo. Nesse caso, o marketing é voltado para pessoas que muito dificilmente se tornaram consumidoras de seus produtos.  
  2. Há inovação e acompanhamento com a tendência do mercado. Entretanto, os produtos lançados não são bem acolhidos pelo mercado. Assim, a procura dos novos produtos não superam as expectativas de sua empresa. 
  3. Os funcionários trabalham constantemente, mas não sabem ao certo se estão atingindo os resultados que precisam. Dessa forma, não há metas bem estabelecidas. Assim, é difícil identificar se as pessoas estão dando o enfoque correto para o atingimento dos melhores resultados da empresa. Há dificuldade, então, em estabelecer mudanças necessárias para aumentar o desempenho da mesma.
  4. Não há planejamento de como atingir os objetivos da empresa. Há vontade de crescer e aumentar os lucros, mas não sabe-se ao certo os passos para atingir esse resultado.
  5. A empresa não tem conhecimento de seus clientes. Assim, os esforços para a produção de conteúdo de divulgação e inovação dos produtos são voltados para as pessoas erradas. A principal consequência é a falta da venda de seus produtos. 
  6. Muitas vezes os produtos da empresa são de boa qualidade e correspondem com as necessidades de seus clientes. Entretanto, não há o conhecimento da concorrência. Isso acarreta problemas como a diferença de preço e inovações que prejudicam a sua venda. 
  7. As empresas querem crescer, mas não definiram um curso de ação para isso. Nesse caso, é difícil saber quais são os próximos passos e como fazer para atingi-lo. 
  8. Quando se tem uma empresa, imprevistos fazem parte do dia a dia dela. O problema é que a maioria das empresas não possui planos para lidar com os imprevistos. Assim, elas tem que gastar muito tempo e esforço para lidar com eles. Estes poderiam ser voltados para o atingimento de metas e melhoria de produtos.

Falamos um pouco mais a respeito das principais práticas erradas em relação a atração de novos clientes no texto ‘principais motivos da redução de vendas’. 

E, como funciona o Plano de Marketing e quais sues principais benefícios?

 

Um plano de Marketing tem como principal objetivo conhecer melhor seu mercado. Nele estão inclusos os clientes, concorrência e fornecedores. Ou seja, diversos fatores definitivos para o sucesso de uma empresa.

O primeiro passo para elaborar um Plano de Marketing é a coleta de dados para a realização de diversas análises. A partir disso as estratégias citadas a baixo serão traçadas para que a sua empresa alavanque os resultados de forma expressiva.

A partir desse conhecimento são elaborados planos de ação. Assim, sua empresa terá um Plano tático que definirá como ela deve proceder para aumentar as chances de sucesso no mercado. É feito também um Plano de Contingência. Este evitará que sua empresa sofra grandes impactos negativos com a presença de imprevistos.

Por ultimo o Plano de Marketing define ferramentas que possibilitam saber o progresso da sua empresa. Você pode saber então como está o atingimento de objetivos. Há facilidade com o controle das atividades. 

Conheça também quais são os principais benefícios de um plano de marketing

cta-vantagens-plano-de-marketing